Nesta tela são analisados os diversos dados de medição reunidos/compostos em diferentes grupos na tela de amostragem. O programa também executa referências cruzadas, isto é, entrando com valores de dose e tempo de exposição o programa preenche automaticamente a coluna de nível de pressão sonora (NPS) de acordo com a norma escolhida na tela de configuração. Se for preenchido na seqüência natural: NPS e tempo de exposição o programa calcula a dose. Vale lembrar que os resultados dos grupos podem ser alterados nessa tela (não recomendado) e, ainda, inseridos novos locais/atividades que participarão da análise final, cujos dados serão utilizados no relatório impresso pelo programa. Podemos dizer que esta é a tela principal do ruído contínuo ou intermitente. Contudo necessita da tela anterior para a obtenção dos dados de medição.

Exemplo de preenchimento da Tela 4Tela_4s.jpg (90211 bytes)

 

OPÇÃO 1: Sem EPI

Para realizar análise de exposição "Sem EPI", siga os passos abaixo:

  1. Clique na opção de análise "Sem EPI"
  2. Clique na coluna "Grupos de amostragem" na "Tabela de Análise",então escolha um dos grupos da listagem. Para criar um grupo, retone para a Tela de "Amostragem" e clique no botão "Criar Grupo".
  3. Os valores totalizados referente do grupo aparecerão no quadro "Resultados da Análise de Exposição".

OPÇÃO 2:Com EPI

Para realizar a análise de exposição "Com EPI", siga os passos abaixo:

  1. Clique na opção de análise "Com EPI".
  2. Selecione o método de medição e o critério de atenuação utilizado nos protetores (*.epi).
  3. Preencha o valor para o "Fator de Campo", quando o critério for (NIOSH 2).
  4. Clique no botão "Lista de Protetores". A subtela "Seleção do Protetor Auricular" será exibida, para selecionar os protetores a serem utilizados.
  5. Clique na coluna "Grupos de amostragem" na "Tabela de Análise".
  6. Clique na coluna "EPI" na "Tabela de análise" e selecione na listagem dos protetores utilizados.

OBJETIVO

Método antigo descrito na norma (ANSI 3.19-1974 e ANSI 12.6-1997 Parte A).
Os participantes da análise são individuos treinados e qualificados na utilização de protetores, logo são orientados e supervisionados para a sua devida utilização, antes da realização da análise.

SUBJETIVO

Método atual descrito na norma (ANSI 12.6-1997 Parte B). 
Os indivíduos que utilizarão o protetor auricular são indivíduos que desconhecem o uso de protetores auriculares, estes apenas seguem as orientações que constam nas embalagens do protetor auricular.

NIOSH 01

O mais confiável. Leva em consideração o ruído encontrado no local de trabalho, geralmente utilizado o mais crítico para essa análise. É realizado uma análise em frequênia nas bandas de oitavas e diminuídos desses valores a atenuação e somados o desvio padrão por oitava fornecido pelo fabricante que possui CA. O Gerenciador SST realiza esses cálculos automaticamente por frequência e posteriormente calcula o valor global do ambiente com e sem EPI. A diferença entre estes fornece a atenuação efetiva (real) do EPI utilizado em campo. A dificuldade desse método está no uso de analisadores de nível de pressão sonora em frequência em tempo real.

NIOSH 02

Considera um ruído rosa em banda larga de 100 dB para as oitavas utilizadas no cálculo. Leva em consideração fatores de erros, portanto não é o método mais aconselhável. Ruído tonais de baixa frequência ou alta frequência , na realidade, terão diferentes atenuações, o que não é considerado nesse método. A atenuação é fornecida por um número chamado de NRR.

DO FABRICANTE

Considera um ruído em banda larga para as oitavas utilizadas no cálculo da atenuação global do EPI. Esse dado é fornecido pelo fabricante de acordo com seu método de cálculo e deve ser semelhante ao da NIOSH 02. Aconselha-se utilizar o método 1 da NIOSH por considerar a análise em frequência do ruído existente no local.

IMPORTANTE: Tanto a NIOSH 02 quanto o NRR do fabricante considera para fim de análise da atenuação efetiva do EPI a medição no local de trabalho na curva "C" e na curva "A" . O procedimento para o calculo da atenuação efetiva será:

a) Definição do(s) local(is) mais crítico(s);
b) Medição em dB(C) e dB(A) do ruído mais elevado. Chamaremos de dBC(medido) e dBA(medido);
c) Definir o EPI obtendo o NRR segundo a NIOSH 02.
d) Obter o ruído efetivo que chegaria no ouvido do operador com o EPI selecionado: dB(A) (no ouvido) = dBC(medido) - NRR;
e) Calcular a atenuação efetiva "Atenuação = dBA(medido) - dB(A) (no ouvido).

Exemplo: Em um determinado lugar mediu-se um ruído instantâneo durante a operação mais crítica de 100 dB(C) e 97 dB(A). O empregado utilizava um EPI cujo número do NRR é de 25 dB. Resultado: Ruído no ouvido = 100 dB(C) - 25 dB = 75 dB(A); Atenuação Efetiva = 97 dB(A) - 75 dB(A) = 22 dB Fator de Redução do NRR = (1 - 22 / 25) x 100 = (1 - 0,88) x 100 = 12 % No Fator de Redução também podem ser inclusos índices de redução tabelados devido ao tempo de utilização e/ou tipo de EPI, por exemplo: para o mesmo caso acima constatou-se que o EPI utilizado perde 20% de sua eficiência devido a deterioração do material... O novo fator de redução então será 12 % + 20 % = 32 %

 

Somenete habilitado quando o Método de Medição é o Objetivo e o Critério de Atenuação segue a Norma NIOSH 2 onde deve-se empregar um fator de conversão para relacionar os valores medidos no local(campo) nas curvas de ponderação A e C. Tal método é empregado exclusivamente para atender a formula da presente norma:

NPS c/ EPI(dBA)= NPS(C) - NRR(Linear)

 

Essa tela é exibida, quando o botão "Lista de Protetores" é pressionado, sendo utilizada para identificar o EPI que fará parte dos cálculos do programa. O usuário não precisa operar esta área se não houver necessidade para a análise de dose e projeção de dose que deseje realizar; partindo para o Grupo/Caixa Análise de Exposição.

Tela_4e.jpg (92895 bytes)

No caso que o usuário deseje realizar análises com e sem EPI, esse quadro passa a ser muito importante devendo prosseguir e considerar os seguintes pontos:

- O Gerente SST possui uma tela de análise de eficiência de EPI que pode ser ativada a qualquer momento.
- Os EPI(s) inseridos na tela de análise são gravados no mesmo diretório, permitindo que o usuário ao importar o EPI visualize os EPI (s) registrados no programa.
- Deve-se Importar o EPI desejado da tela de análise utilizando o botão importar. Podem ser importados diferentes tipos de EPI. - O usuário deve escolher o critério utilizado para que o programa identifique a atenuação do EPI escolhido. Só é permitido a escolha de um critério para o grupo de EPI escolhido que farão parte das análises posteriores.

Como pode ser visto na tabela de análise de exposição os botões são interativos, não precisando de maiores explicações. Ao realizar alterações na tabela, as atualizações dos resultado e cálculos globais serão executadas imediatamente sem necessidade de clicar em botões adicionais. Deve-se levar em consideração que a apresentação dos resultados das análises podem ocorrer sem ou com a presença do EPI. Ao clicar na caixa de verificação com fundo claro onde está presente as opções:

O programa atualiza imediatamente as análises globais. Deve-se na utilização do EPI colocar a atenuação utilizando os dados gravados do EPI ou entrando manualmente com o valor a ser considerado. Após a inserção dos valores o programa atualizará imediatamente os resultados com EPI.

INSERIR GRUPOS

Para a inserção dos grupos gravados na tela de amostragem basta apenas clicar na primeira coluna da tabela que aparecerá opções de escolha de qual grupo considerar, teclando ENTER no desejado. Os grupos podem compor um Grupo Homogêneo de Exposição (GHE) bem definido. O resultado será expresso no quadro da análise de exposição no lado direito abaixo.

 

Como opção padrão o Gerente SST permite a projeção de dose para três valores distintos que podem ser modificados pelo usuário. Os valores considerados são 360 minutos (6 horas), 480 minutos (8 horas) e 660 minutos (11 horas). Esses valores podem ser modificados e apareceram no relatório emitido pelo Gerente SST.

Na tela de análise de exposição existem na parte inferior a direita dois botões de analise que podem facilitar a conclusão de laudos sobre exposição média diário e projeções com e sem EPI.

BOTÃO - GRÁFICO DE DOSE

Tela_4d.jpg (85253 bytes)

Quando pressionado exibirá as dose projetadas contínuas sem e com EPI. Possibilitando a verificação do tempo de permanência para que a dose não seja superior a 100%.

BOTÃO - DOSE SEMANAL

A ferramenta de DOSE SEMANAL pode ser considerada como uma metodologia de avaliação da média diária durante uma semana considerando, como critério de balizamento 8 horas de exposição durante cinco dias. Isto é, soma-se as doses de exposição durante uma semana, incluindo o lazer (análise mais criteriosa), dividindo-se este valor final por cinco. Desta forma temos um meio de analisar todo o ruído a que o indivíduo fica exposto durante uma semana .

Segundo a literatura as possíveis perdas auditivas devido a atividades em ambiente insalubres consideram que o indivíduo não fique exposto a ruídos prejudiciais fora do seu ambiente de trabalho. E, também, considera como critério semanal 40 horas de exposição para o limite de exposição. Portanto para obter um valor coerente, levando em consideração trabalhos extras e lazer, deve-se analisar a média diária segundo estes critérios.

 

O Resultado da análise dependerá da opção escolhida: "sem EPI" ou "com EPI". E será expresso na tabela da análise de exposição no lado direito abaixo.

Lembramos que na análise final, para impressão do relatório, é recomendado que o usuário escolha apenas um único EPI. Mesmo porque não é normal um trabalhador usar em diferentes áreas da empresa tipos diferentes de EPI(s).